Itamaraju: Acusados de chacina prestam depoimento na Depol

Os acusados da chacina ocorrida na noite da última sexta-feira (21) de setembro se apresentaram na Depol na tarde desta terça-feira (25), acompanhados pelo advogado Rildo Alves Neto, onde em depoimento alegaram legítima defesa.

De acordo com a cópia dos autos oferecidos a nossa equipe acerca do depoimento efetuado durante à tarde da última terça-feira (24), onde Erly Ferreira Lima, o “NETO” de (33 anos) e Liliane Souza Reis (21 anos) a “Bilú”, puderam informar detalhes sobre o homicídio triplamente qualificado, no bairro Nova Liberdade.

 Segundo Erly, tudo iniciou em um bar, quando a jovem Enildes da Pena Jesus, informou a sua esposa “Bilú”, que o mesmo estaria tendo um caso amoroso “extraconjugal”.  Bilú então achou que o teor da conversa seria uma afronta e de imediato entrou em uma luta corporal com a jovem. O mesmo informou que tentou ainda separar a briga, mas foi inevitável devido o pai de Enildes dificultar e ainda esta armado com facas e pau.  O pai da jovem teria saído ameaçando voltar armado, onde o mesmo saiu correndo e adentrou as dependências de sua residência onde buscou um revolver calibre 38.  Ao voltar ao bar, que já estava fechado, perguntou aos parentes da jovem Enildes, onde Bilú (sua esposa) estava, mas os mesmo ainda teriam lhe agredido e de imediato efetuou os primeiros disparos.

O acusado decidiu então seguir para a casa de Enildes, onde de acordo com ele sua esposa estaria no interior da casa sendo agredida por Maria da Gloria da Pena e um de seus filhos o Elenildo da Pena Jesus, onde para evitar que os mesmos tentassem contra sua vida, efetuou os primeiros disparos, mas o sair da residência teria sido agredido por Evandro da Pena Jesus, não deixando outra alternativa a não ser disparar contra ele também.

Após os disparos o meso decidiu fugir para a cidade de Jucuruçu, onde acobou perdendo a arma utilizada nas mortes, porém somente na segunda-feira manteve contato com o advogado, que providenciou sua apresentação ao delegado Gean do Nascimento.

Nos autos ainda constam em anexo o alvará de soltura de Erly Ferreira Lima, concedido no último dia 15 de Agosto de 2012, onde pesava contra ele a acusação de tráfico de entorpecentes e porte ilegal de arma de fogo.

Liliane Souza Reis recebeu o beneficio de responder em liberdade o processo contra ela, através de um alvará espedido no dia 11 de Julho de 2011, devido à mesma ter sido presa no interior de sua residência em poder de 44 pedras de crack embaladas para comercialização, uma pedra de crack de aproximadamente 75 gramas, a importância de R$ 20,00 (vinte reais) em moedas além de objetos e documentos pessoais de clientes que possivelmente deixava empenhorado.

Diante dos fatos o delegado ainda preferiu não se pronunciar, mas o inquérito deverá ser enviado para o ministério público, onde a justiça deverá se pronunciar acerca dos fatos.

Os acusados deixaram a Depol acompanhados de seus advogados evitando ser fotografados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *